Impressão 3D, você não pode ficar fora desta!

No processo de livre aprendizagem que estou vivendo com meu filho a premissa básica é aprender com o dia a dia (no nosso caso o Ontheroadschooling, conhecendo as iniciativas que promovem a sustentabilidade) e deixar que o Kaiuá se aprofunde nos assuntos em que tem interesses, resumindo: tudo que se relaciona com tecnologia. Foi assim que eu fui parar na maior feira de games da América Latina, descobri todo um mundo paralelo, entendi melhor o fascínio exercido pelos games (o jogo do mundo real é sujo, fica fácil se encantar pelo virtual), mas isso é todo um capítulo à parte, que prefiro encerrar por aqui. DSC01428 Foi também o interesse dele, através de uma indicação do nosso amigo, mentor de tecnologia e noticiador do futuro Luiz Gustavo (o Luis Silva que vocês podem ver nessa matéria do G1 sobre os Fab Labs) que nos levou ao Garagem Fab Lab. Na primeira visita conhecemos o espaço, fomos apresentados às máquinas, algumas das quais nós ainda não havíamos visto pessoalmente, e assistimos ao filme Print the Legend, que conta a história das impressoras 3D, disponível no Net Flix. Na segunda visita encontramos o Luís e os seus sócios na Arcturus – BioCloud testando uma máquina nova, totalmente produzida pelo Pedro Terra. Sobre essa máquina e o que ela pode fazer eu só digo uma coisa: já estão imprimindo o futuro! DSC01426 Mas voltemos as 3D. Pense bem: por que você precisa comprar um objeto produzido industrialmente, em grande escala, causando imensos impactos ambientais, e que muitas vezes acaba sendo desnecessário ou precisando de substituição frequente, em virtude da obsolescência programada, se você pode produzi-lo com apenas algumas máquinas que podem produzir qualquer coisa,  inclusive elas mesmas? DSC01462 Não compre, faça você mesmo! Esse é o lema do Movimento Makers, que já é considerado a nova Revolução Industrial, pois une o mundo virtual com o físico, gerando autonomia de produção. Custo baixo, objetos personalizados de acordo com as características e necessidades de cada um e licença aberta, para que outras pessoas possam utilizar e melhorar o projeto, são as principais características do movimento. DSC01430 A primeira vez que ouvi falar sobre os Makers foi há cerca de seis meses atrás, no módulo econômico do Educação Gaia. Era o conteúdo de uma das aulas, facilitada pelo Filipe Freitas, e foi complementado por uma palestra do Luis (o mesmo que nos indicou a Fab Lab). Além dos Makers o Luís falou sobre bitcoins, nanotecnologia e inteligência artificial, sob uma ótica que eu nunca havia imaginado, com informações que eu provavelmente levaria mais uma década pra acessar. Saímos, todos os alunos do Gaia, desta palestra bastante impactados pelas novidades. Todos menos o Kaiuá. Enquanto algumas pessoas achavam o panorama assustador e diziam que teriam pesadelos, ele disse: — Esse medo que as pessoas tem da tecnologia é medo de perder o controle. Pouco depois, quando voltávamos para o nosso quarto, eu disse pra ele que demoraria um tempo pra dormir pensando naquilo tudo, ao que ele prontamente respondeu: — Pois eu vou dormir tranquilamente, pra mim tudo isso faz muito sentido. Durma com um barulho desses!   Links úteis: Garagem Fab Lab Fab Lab SP Makers Arcturus

Feira de Trocas: todo mundo ganha!

Feiras de trocas são um dos ambientes mais dinâmicos e estimulantes da economia criativa. Adoro ver o sorriso no rosto de alguém que encontra algo que estava precisando ou que simplesmente lhe serve perfeitamente! Me divirto vendo a mulherada enlouquecendo na troca de roupas! Mas o que eu mais curto mesmo são as trocas subjetivas: conhecer pessoas, tecer redes, quem sabe fazer parcerias… São muito potentes esses encontros que contornam a lógica do capital numa curva suave onde os momentos vividos são mais importantes que os objetos trocados! Nos últimos meses visitei feiras em diversos formatos, compartilharei alguns aqui, quem sabe assim vocês não se animam e organizam uma também!
A feira de trocas da REGES (Rede Gaiana de Economia Solidária), que está suspensa temporariamente, é uma ação entre amigos, mas aberta ao público, que se caracteriza como uma feira de trocas e dádivas. As trocas são realizadas entre os participantes e podem ser feitas diretamente, um objeto por outro, ou por intermédio de uma moeda própria, o ELO,  cujo valor é estabelecido no ato da troca, entre os interessados. Em alguns casos não há interesse na troca, nem elos, mas a pessoa que tem o objeto de interesse do outro pode oferecer-lhe como uma dádiva. Eles também tem uma proposta muito interessante  de elaborar um cadastro de serviços que podem ser negociados e trocados (diretamente ou por elos) a qualquer momento, independente da feira.Cheguei a primeira vez na feira sem nada, para conhecer. Fiz meu cadastro, ofereci meus serviços e fiquei um tempo por lá. Acabei ganhando alguns elos por isso! Na REGES sewu tempo de presença vale ELOS! Conheci pessoas interessantíssimas, algumas das quais fazem parte (e parte importante!) da minha vida hoje e ainda saí de lá com um belo casaquinho! E bem feliz!

Outra muito legal é a feira do desapego, realizada pela Camila Leal, que funciona assim: você leva quantos objetos quiser (roupas, livros, cds, dvds, entre outros), troca o número de objetos pelo mesmo número de “desapegos” (a moeda da feira) e depois troca cada desapego por um objeto a sua escolha! Fiquei bem feliz nessa feira! Troquei uma coleção de DVD’s que eu já curti muito, assisti muitas vezes, mas não fazem mais sentido na minha vida hoje, por vários motivos: não os assisto mais, isso já seria motivo suficiente para encaminhá-los para alguém que ainda não assistiu, mas tem mais! Não vejo necessidade do objeto DVD há alguns anos, hoje carregamos dezenas de filmes em objetos bem menores do que UM DVD. E quero ficar bem leve para viajar, não apenas para não carregar uma bagagem muito grande, mas também pra não deixar uma “âncora” muito pesada pra trás. Estou me desfazendo de tudo que não é imprescindível para mim… Ganhei onze “desapegos”que troquei por algumas roupas bem legais que tenho usado bastante e alguns objetos novos para presentes de fim de ano. Sobraram desapegos. Desapeguei!

E pra fechar não poderia deixar de falar da Feira Grátis da Gratidão cujo lema é “traga o que quiser, ou nada, e pegue o que quiser, ou nada”! Boa para quando se quer desapegar mesmo, sem nenhuma expectativa de retorno. Excelente para as trocas humanas! Muito interessante e agregadora, possibilita o acesso de qualquer pessoa, de todas as classes sociais, de igual pra igual, de verdade. Algumas pessoas oferecem serviços gratuitos como manicure, meditação, massagem, atividades com as crianças, entre outros. No Rio de Janeiro é atualmente organizada pela Júlia Horowicz, mas está transitando para uma gestão colaborativa e já acontecem feiras organizadas por outras pessoas, tanto no Rio, quanto em outras cidades do Brasil. Pesquisando no Facebook vocês podem descobrir se há uma feira na sua cidade e se não houver podem se voluntariar para organizar uma! Fui em duas até agora, me desfiz de duas malas de roupas e peguei só um porta-guardanapos, um objeto que sempre senti falta lá em casa. Sorrio todas as vezes que olho pra ele! Saibam mais no Blog da Feira Grátis do Rio de Janeiro ou na página do Facebook.

    Gostou das possibilidades? Está esperando o quê? Crie, invente, faça uma feira de trocas diferente! As possibilidades são muitas e só há uma “regra” importante: todo mundo ganha!

Comunicação Não Violenta

Não há relacionamento sem comunicação!

     Você concorda com essa afirmação? Já percebeu algum relacionamento seu – íntimo, familiar, pessoal ou profissional- ser prejudicado por ruídos ou falhas na comunicação?  Quando os pensamentos estão em conflito com as suas emoções, a confusão atrapalha sua comunicação? Durante um conflito já teve a sensação que você falava uma coisa e o outro entendia algo completamente diferente? Você até se esforça pra se comunicar melhor, mas poucas vezes percebe um resultado efetivo? Existe algo que possa ser feito a respeito?
     A Comunicação Não Violenta (CNV) é uma prática de pesquisa contínua, proposta por Marshall Rosenberg e sua equipe, que proporciona ferramentas para o desenvolvimento de uma comunicação efetiva e empática nos âmbitos  intrapessoal, interpessoal e social, favorecendo relações de parceria e cooperação. Ressalta a importância de perceber um território compartilhado, uma base de valores, necessidades e princípios que são comuns a todas pessoas, o que ajuda a evitar dinâmicas dominatórias, classificatórias e desresponsabilizantes.
     A CNV vem sendo aplicada, com sucesso, por Marshall Rosenberg em programas de paz em diversos países como Ruanda, Burundi, Nigéria, Malásia, Indonésia, SriLanka, Oriente Médio, Sérvia, Croácia e Irlanda. Além de Rosemberg, diversos mediadores vem utilizando suas contribuições nas áreas de mediação e definição de conflitos.
     Ontem fui na apresentação mensal de CNV que está acontecendo toda segunda quarta-feira do mês, na Casa Sou.l, no Rio de Janeiro, facilitada por Dominic Barter. Fiquei muito feliz de ter levado dois amigos e o meu filho para conhecer essa técnica tão simples e profunda de se comunicar nos relacionamentes, do mais íntimo ao mais formal/profissional. No início do encontro ele perguntou a quem já havia ido a outros, por que nós voltávamos. Pensei: por que não voltaríamos? Mas fiquei matutando por que estar lá, de novo, era tão importante.
     Percebi que volto porque acredito que uma boa comunicação é imprescindível para o sucesso nas relações, nos três âmbitos, porque percebo que, enquanto indivíduos, casais, família e sociedade estamos perdendo essa capacidade, porque acredito que a CNV é capaz de amparar essa restauração e porque reconheço a dificuldade de mudar na prática um funcionamento arraigado ao longo de anos. Volto pelo grupo, por todas as pessoas que romperam a inércia de um mecanismo enferrujado e foram ao encontro com uma intenção em comum, e pela facilitação suave e dinâmica do Dominic.
     Se você é do Rio, apareça na Casa Sou.l para conhecer! Pra galera de São Paulo dia 28 desse mês o Dominic estará facilitando um Workshop de Introdução a CNV e a Terra Luminous realizará um Laboratório de CNV no início de dezembro.
          
Quer se aprofundar?Saiba mais em:

Destino Sustentável

Cansei.
Cansei da poluição que ensurdece ouvidos, entope nariz e poros, lacrimeja olhos.
Cansei de lutar contra minha natureza, consentindo nessa escravidão voluntária.
Cansei de ver meu filho reclamando todo dia do nosso sistema de educação.
Cansei da incongruência gritante do modo de vida contemporâneo.
Cansei de perder o sono pra pensar na sobrevivência.
Cansei de reclamar de tudo e não fazer nada!
Cansei.
Eu quero viver!
Em 2014 eu e meu filho Kaiuá partiremos em uma jornada rumo ao Destino Sustentável.
Mais que uma pesquisa, o Destino Sustentável é uma busca pessoal por práticas e comportamentos que representem a transição para o novo paradigma. Nosso objetivo é estudar, registrar e divulgar modos de existência que busquem alternativas viáveis e sustentáveis ao modo de viver predominante na sociedade contemporânea. Isso inclui buscar uma forma mais integrada e exclusiva de educação. Aprender vivendo! Buscamos reescrever a nossa história e ajudar muitas pessoas a descobrirem essa revolução invisível que já está acontecendo.
Para tanto pretendemos conhecer as principais Ecovilas, Institutos de Permacultura, Escolas Inovadoras e outras iniciativas inovadoras em uma expedição por todo o Brasil, durante o período de um ano iniciando-se em 19 de março. Durante a viagem faremos registros em texto, fotografia, audio e vídeo que serão divulgados nesse blog, em redes sociais e em pequenos trailers na internet, tudo gratuitamente.
Acreditamos no poder da força coletiva e da atuação colaborativa na realização de projetos  e concretização de sonhos transformadores. Para que o Destino Sustentável seja um grande sucesso nós contamos com você! Em breve mais notícias!